Script data e hora digitais

Saiba tudo sobre a dieta que libera bacon, churrasco e manteiga

Dieta que faz emagrecer um bocado e deixa comer bacon, manteiga, camarão e churrasco: seria um sonho? Bem… sonho não, porque o clássico das padarias tem carboidrato, palavra proibida na vida de quem segue a dieta  low carb. Se as delícias citadas acima são permitidas, pode esquecer aquele pãozinho quente da padaria. Idem para pizza, arroz, macarrão e batata, todos ricos em carboidratos.

No badalado livro 30 Dias Para Mudar – The Whole30 (Ed. Sextante), dos especialistas em nutrição esportiva Melissa Hartwig e Dallas Hartwig, os autores defendem que “a não ser que você seja uma pessoa bastante ativa, pratique exercícios de alta intensidade algumas vezes na semana ou treinamento para esportes de resistência, não vai precisar de grande quantidade de carboidratos para obter energia”.  E, olha, esses benditos  estão espalhados por quase tudo que ingerimos. Não só nessas comidas já citadas, mas até em frutas e legumes. Banana e melancia, por exemplo, só pode um tiquinho.

Assim, quando falamos em uma dieta de redução de carboidratos – principalmente para quem quer perder aqueles quilinhos indesejados – muita gente fica perdida. O que pode comer? O que vale com moderação? E o que se deve passar longe?

Calma, a gente explica. Mas, antes, iniciamos de quando tudo começou. “A low carb  surgiu a partir do ano 2000, baseada na criada por um médico norte-americano de sobrenome Atkins  (dieta da proteína). Com o passar dos anos, foi ganhando novas versões até chegar à mais atual”, diz a nutricionista Alice Alagia.

E,  além da perda de peso, há algum outro lado positivo? “Benefícios são inúmeros: melhora da resistência a insulina, melhora do desempenho mental, melhora de energia e disposição, prevenção de câncer…”, cita a nutricionista Vanessa Bulcão.

Vá com calma
Apesar de aparentemente milagrosa, a low carb deve ter moderação.  “Se feita de maneira errada, a dieta pode colaborar com riscos à saúde”, adverte Alice.

A nutricionista explica: “A tática  força o organismo a utilizar gordura como sua principal fonte de energia (que, na maioria das vezes, é o carboidrato). Isso acontece na forma de corpos cetônicos, que irão substituir a glicose obtida através dos carboidratos. Quando isso ocorre, o corpo entra em cetose – o nome dado ao processo de liberação de corpos cetônicos, que acontece em decorrência da lipólise, ou seja, quando se está queimando gordura como combustível. O resultado é uma mobilização das reservas de gordura do organismo”, diz Alice.

“O problema é utilizar, durante a dieta, fontes alimentares sem qualidade, como os embutidos, e permanecer muito tempo fazendo a dieta. Isso porque corpos cetônicos são tóxicos para o organismo. Logo, em grandes quantidades ou sendo liberados com muita frequência, podem causar falta de energia, diminuição da massa magra em excesso, dores de cabeça, queda de pressão, alterações no humor e até sobrecarga da função renal, quando há excesso de proteínas”, adverte. “Indivíduos com problemas renais ou hepáticos, crianças, adolescentes e idosos e gestantes não devem seguir essa dieta”.

O que comer então?
“Fazer low carb não significa apenas aumentar o consumo de proteína e cortar os carboidratos. Em um plano alimentar convencional, o consumo de carboidratos deve ficar entre 45%-55% do total de nutrientes ingeridos todos os dias. Já na dieta low carb, a ingestão diária de carboidratos permanece abaixo de 20% do total de calorias”, explica Alice.

“Mas dá para comer muita coisa. De carboidratos, sempre prefiro os dos legumes e das frutas, por serem ricos em fibras e antioxidantes. Por exemplo, entre as frutas, escolho coco seco, abacate, morango e kiwi. Verduras, no geral, podem. Exceto a batata inglesa. E ainda valem as proteínas, como frango, peixe, carne, lagosta e porco, e as oleagenosas, tipo castanhas, amêndoas e nozes”, lembra Vanessa.

E quando o almoço é na rua, como lidar? “Saber escolher é o ponto chave. Fibras, por exemplo, dão a sensação de saciedade. Broto de alfafa tem excelente valor nutricional, brócolis é rico em ferro e antioxidantes, a lentilha (e outras leguminosas, como o grão de bico) é rica em proteína vegetal,
castanha-do-pará contém ômega 3…”, exemplifica a nutricionista Marisa Nascimento, do Orgânico Alimentos Saudáveis, no Salvador Shopping.

Para ajudar, o Bazar  foi atrás de dez restaurantes que oferecem comidas low carb. Lembrando antes que,  assim como toda a dieta, ela deve ser sempre indicada por um especialista.

Confira os lugares:

Santo Verde
A empresa tem opções low carb no delivery e nos dois restaurantes, nas unidades da Villa Verde (R. Guadalajara, 9, Barra, e no Shopping Cidade, no Itaigara).  “Nossos pratos foram elaborados pela chef Flávia Sampaio e são feitos com ingredientes mais saudáveis, como manteiga ghee e sal rosa”, diz a sócia Juliana Portela, 30. Uma das comidas queridinhas dos clientes da Santo Verde (@santoverdegastronomia) é o Spaguetti de Pupunha ao pomodoro, com camarões grelhados (R$ 59). Mas há também outras opções, como a lasanha de berinjela com carne moída e mussarela de búfala ao pomodoro (R$ 35), sem glúten. No site (santoverdedelivery.com.br) dá para pedir o delivery. Lá, há até programas já elaborados pela nutricionista Vanessa Bulcão, 27, como o Cardápio Paleo Low Carb para cinco dias (R$ 420).

Coentro Gastronomia Afetiva
Todos os dias, os pratos mudam. Para saber o cardápio, é só acessar o Instagram do restaurante (@coentrogastronomiaafetiva), que fica na rua Marquês de Caravelas, 358, Barra. “São três opções de entrada e três opções de prato principal, sempre com pratos low carb e vegetarianos”, garante a chef e sócia da casa, Karine Poggio, 40. “Nós comemos muito com os olhos. Por isso, aqui, procuramos alimentos que se pareçam com os ‘originais’. No risoto de pupunha, por exemplo, cortamos o ingrediente similar ao arroz e cozinhamos ele com vinho. Já o cuscuz marroquino usa couve-flor”. O talharim de abobrinha e cenoura com camarões, junto com uma das entradas, sai por R$ 48.

Puro Healthy Food
Aberto há 11 meses, o espaço (@purosaudavel), na Rua das Hortênsias, 522, Pituba, se divide entre uma quitanda e um restaurante. No menu, várias opções low carb, como a tilápia em crosta de amaranto com cúrcuma, purê de couve flor, pesto de castanhas e tomates (R$ 33). “Queremos quebrar o paradigma de que comida saudável não tem sabor”, garante o sócio Vitor Krohling, 32. Os pratos foram elaborados em parceria com o chef André Luiz da Silva (@andrenutrichef), de Florianópolis.

Cazolla Gastrô Burguer Beer
O concorridíssimo restaurante (@vempracazolla), na Av. Paulo VI, 1816, Pituba, tem opções low carb vindas diretamente dos seus hambúrgueres. “Qualquer um deles pode vir sem pão e, no lugar da batata frita estará uma salada”, diz Nathalia Dantas Moraes, 33, uma das sócias. “Alguns outros itens também podem ser substituídos se não forem da dieta seguida pelo cliente, como a cebola caramelizada”, completa a chef  e também sócia Carla Marzolla, 32. Por
exemplo, o Jalapa Burguer (R$ 32,90) originalmente traz geleia de pimenta  jalapeño, que pode virar mais bacon crocante.  “No almoço, você  pode escolher um grelhado e dois acompanhamentos, como vinagrete de maçã verde e salada de folhas verdes”, lembra Carla.

Saúde Brasil
Completando 30 anos, o restaurante a quilo (@restaurantesaudebrasil) tem ingredientes vindos de feiras orgânicas, garimpados pelo proprietário e chef João Telles, 60. Entre as delícias estão  opções vegetarianas, sem açúcar e sem lactose, sinalizadas em placas. “Fazemos, por exemplo, uma lasanha de abobrinha com shimeji e um arroz de couve-flor”, diz. Há ainda delivery de congelados, com cardápio disponível no site, restaurantesaudebrasil.com.br. “Também fazemos pratos para os clientes de acordo com a dieta passada pelo nutricionista. É só ligar para a gente (71 3247-7237)”.

Chef Natural Club
Com endereço na Rua Morro do Escravo Miguel, 297, Ondina, (@chefnaturalclub no Instagram) tem cardápio assinado pela chef  Jussara Boureau. Entre as delícias, a tilápia escalfada com molho de amêndoas picante e versão de ratatouille ao perfume de curry e abóboras assadas, prato low carb e termogênico criado em parceria com o nutricionista Victor Bahia (R$ 46).

Tempero e Saúde
No site da empresa (temperoesaude.com.br), é possível escolher proteínas, acompanhamentos e pratos completos, além de programas elaborados pela nutricionista Andrea Rayol, 46.  Entre as opções low carb da Tempero e Saúde (@temperoesaude) está o salmão ao molho de maracujá e manjericão (R$ 34), que pode ser servido junto com a tortinha de legumes ao forno (R$ 6,80).

Orgânico Alimentos Saudáveis
Localizado na praça de alimentação do Salvador Shopping, restaurante a quilo (@organicosaude) tem uma variedade grande de legumes, proteínas e acompanhamentos. Entre eles, o espaguete de abobrinha com cenoura, o broto de alfafa e a saladinha feita com alho-poró.

Madero Steak House
O menu do restaurante (@maderobrasil) conta com uma área fit, com pratos mais lights. Entre eles está a salada Madero Fit (R$ 36), elaborada com Pati Bianco, do Fru-Fruta. “É isenta de glúten, com pouco sódio, low carb e proteica. Uma combinação leve e saborosa”, afirma Junior Durski, 55, presidente do Grupo Madero.

Paris 6
Recém-aberto no Shopping da Bahia, o espaço (@paris6salvador) traz o Menu Fit Bella Falconi, em parceria com a musa fitness. No cardápio, há, por exemplo, a lasanha de berinjela com peito de peru, queijo branco e tomate fresco (R$ 55).

Se você gosta de cozinhar, a equipe da Saúde na Panela (@saudepanela), localizado na Rua das Hortênsias, 752, Pituba, ensina a fazer duas receitas de pratos low carb: o Espaguete de Abobrinha com Pesto de Castanha de Caju e o Creme de couve-flor. Confira:

Espaguete de Abobrinha com Pesto de Castanha de Caju
*Rendimento para duas pessoas

Ingredientes
2 abobrinhas médias
2 xícaras de chá de folhas de manjericão fresco
½ xícara de chá de azeite de oliva extra virgem
1 dentes de alho
1 colher de sopa de castanha de caju
Sal a gosto

Preparo do molho pesto
Bata a castanha de caju, o manjericão, alho e o azeite, tudo junto, no liquidificador até que chegue a uma textura mais ou menos homogênea.
Esse molho pode ser guardado refrigerado, em vasilha limpa, por uma semana.

Preparo da abobrinha e finalização
Fatie as abobrinhas com um mandolim aproveitando parte da casca e parte da polpa. Corte essas fatias em tiras finas para que fiquem no formato de espaguete (no fatiador espiral a abobrinha já sai no formato espaguete). Cozinhe, al dente, crocante e bem verde, no vapor. Escorra a água. Tempere com sal, junte o pesto, misture e sirva imediatamente.

Dicas
Retire a germinação do alho, pois é indigesto.
Não aqueça o pesto. Basta que a abobrinha esteja quente e o pesto em temperatura ambiente.

 
 

Creme de couve-flor
*Rendimento para uma pessoa

Ingredientes
4 xícaras de chá de água
500 g de couve-flor
10 dentes de alho sem casca cortados ao meio
Sal e pimenta-do-reino
1 picada de noz moscada
Cebolinha ou salsa picadinha para salpicar

Modo de preparo
Cozinhe a couve-flor e o alho na água, com a panela tampada, até amaciar por uns 10 minutos. Transfira a mistura para o copo do liquidificador, junte sal e pimenta-do-reino a gosto e a noz moscada. Bata no liquidificador até ficar homogênea. Sirva em seguida. Acrescente cebolinha ou salsa a gosto.

 
Fonte: Correio24horas


Ivaldo José Fragoso Ribeiro
Diretor Administrativo e Comercial
ivaldofragosomalandrinho@gmail.com

Antônio Guimarães
Jornalista Responsável

CNPJ: 03.135.085/0001-03
CCM - 900763591
(82) 99617.4108 / 99304.3673